Aprenda a fazer a respiração do canto!

junho 29, 2020by Daniel Nones0

A respiração do canto está intimamente ligada a famosa técnica de “apoio”. E nela temos 2 fases bem claras: A inspiração: fase ativa onde o ar entra nos pulmões A expiração – fase passiva onde o ar sai dos pulmões Em repouso, costumamos dedicar em média, quatro segundos para inspirar e dois segundos para expirar....

A respiração do canto está intimamente ligada a famosa técnica de “apoio”. E nela temos 2 fases bem claras:

  1. A inspiração: fase ativa onde o ar entra nos pulmões
  2. A expiração – fase passiva onde o ar sai dos pulmões

Em repouso, costumamos dedicar em média, quatro segundos para inspirar e dois segundos para expirar. Contudo, no canto, está relação deve inverter-se para que você consiga cantar de verdade. Sendo assim, na respiração do canto há uma mudança da ordem natural do corpo, no qual a fase que normalmente é passiva (expiração), passa a ser uma fase ativa.

Na fonação, um dos nossos primeiros objetivos é manter a expiração prolongada, e por isso, há mais dispêndio de energia, pois estamos aprendendo a inverter a ordem natural da respiração. Isso pode explicar porque professores, palestrantes e pessoas que trabalham com a fala prolongada podem se sentir exaustos depois de longo uso da voz.

Caso queria saber mais, ofereço um curso de canto em Itapema e também dou aulas EAD.

Formas de Inspiração

Existem três maneiras de inspirar, mas somente uma é realmente ideal para o canto. Descrita no número 3.

1 – Respiração nasoclavicular

Neste tipo de respiração, que é o mais frequente, o ar é inalado pelo nariz e praticamente, somente a parte superior do tórax trabalha. É uma respiração válida pelo fato do ar aspirado ser filtrado pelas pilosidades do nariz e aquecido nas fossas nasais antes de atingir a faringe e laringe. Entretanto a quantidade de ar aspirado é menor, sem contar que ela pode ser ruidosa (inspire com ímpeto pelo nariz para você observar).

Ex: Cheirar um ramalhete de flores.

2 – Respiração buco-abdominal

Esta respiração é comum em situações de susto, admiração, medo, conversa ansiosa, congestão nasal etc… Aqui observar que a região abdominal expande-se melhor com um maior volume de ar inalado, mas, em contrapartida, acarreta o ressecamento da cavidade oral e uma maior possibilidade de aspirar ar não filtrado e resfriado.

Ex: Surpreender-se por algum motivo ou tremer de frio.

3 – Respiração buconasal, intercostal abdominal

É a respiração do canto ideal. Nesta o ar será aspirado, parcialmente filtrado e aquecido. As partes, inferior e superior do tórax serão expandidas e elevadas. Como resultado, um bom contingente de ar será absorvido, além da vantagem de ser silenciosa.

Ex: Bocejo

Si respira come si canta, si canta come si respira. – Lamperti

Formas de Expiração

É preciso saber expirar, pois cantamos na expiração.

1 – Expiração com pressão abdominal para dentro

O diafragma volta à posição de repouso, as vísceras se reacomodam e o tórax entra em colapso.

Ex: Espirro, tosse, suspiro etc…

2 – Expiração com pressão abdominal para fora

O diafragma e o tórax mantêm-se em tonicidade e a laringe se contrai.

Ex: Evacuação forçada, erguer peso.

3 – Expiração de sustentação

É uma combinação das duas anteriores, pois o tórax mantém-se em expansão e o abdome trabalha conforme a sua necessidade. Sendo assim, o abdome vai trabalhar com mais pressão para dentro ou relaxamento conforme a altura que você estiver cantando (graves, médio e agudos).

Se a frase exige um salto ou intervalo ascendente, ou mesmo variação de dinâmica e articulação você terá de acionar e controlar o músculo reto-abdominal.

Sobre a respiração diafragmática

Quando falamos sobre o canto, especialmente a respiração do canto, é preciso trabalhar a percepção do próprio corpo. Viu como este assunto não é um bicho de sete cabeças? Entretanto preciso te dizer que tudo que você leu aqui precisa ser cuidadosamente testado e sentido. Caso contrário você perderá muito da experiência prática que apenas a teoria não pode te dar.

Sendo assim, agora teste todos os exemplos, pratique isso e a cada dia você vai melhorar a sua respiração diafragmática!

Quer realmente melhorar no canto? Agende uma aula experimental gratuita no curso de canto!

Até logo

Fonte: Cantonário – Guia Prático para o Canto

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Links Rápidos
Receba novidades!

    Fale com o Professor